Sábado, 22 de Novembro de 2008

blindness


 

 

 

Um dos melhores escritores do mundo, um dos melhores realizadores do mundo, uma sátira metafórica à Humanidade. Tudo juntinho, num batido... de leite alvíssimo. Não desiludiu, mas confesso que não arrebatou como desejava. Malditas expectativas, que insuflam, movidas às melhores premissas, e quando se chega ao destino nos fazem cruzar os braços à espera de algo mais. Ainda assim, não hesito em elogiar inequivocamente a mestria do Meirelles, presente em cada detalhe, em cada ângulo aparentemente fortuito; a sublime interpretação da Julianne Moore; a fidelidade para com o romance (que ganha, nas palavras de Saramago, uma dimensão para mim maior, mais profunda, crua, autêntica).

 

 

 

O ponto que marca a diferença (como ultimamente reparo em tantos vértices da minha vida) é a Paixão. Aquele sentimento extremado, de picos, que solta gritos ou lágrimas ou murros, que dá força para escalar montanhas quando as quedas já foram mais que muitas. Sobre O Fiel Jardineiro escrevi, em 2006: "Um filme arrebatador, tão belo que fere os olhos, tão perturbador que revolve as entranhas. Que fotografia, que extraordinários actores! O Meirelles é o melhor realizador de todos os tempos! Estou apaixonada por este filme, como raramente acontece." Lá está, a Paixão. Como já me tinha acontecido com a Cidade de Deus, um dos mais belos filmes de sempre. O Blindness não me apaixonou, sendo porém apaixonante (mais uma daquelas contradições inexplicáveis senão com a escusa de, também aqui, tratarmos de sentimentos e, esses, ninguém saber muito bem por onde começa a explicação).

 

 

 

publicado por Ventania às 15:09
link do post | comentar | favorito
|

sobre mim

pesquisar

 

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

THE END

Maluda II

Nobody understands (me)

Às vezes não entendo

SHIUUUU

Out of reach

take 1

sem comentários...

Maluda

Choose...

07-07

Horto de incêndio - Al Be...

Que trabalho - Eugénio de...

...

You Are Welcome to Elsino...

...

Mário Cesariny

Sinastria amorosa de Vent...

Definições

Amedeo Modigliani

Mesmo?

...

I mean it

no teu poema - José Luís ...

Sit Down - James

Klimt

A romã

One of these days / Um di...

esferográficas

Manuel Cargaleiro

Somewhere to go, somethin...

Um baú mal fechado

Frida Kahlo

Something's missing

...

...

À janela, no Chiado

Henri de Toulouse-Lautrec

Post Scriptum para F.

...

O AMOR QUANDO SE REVELA -...

...

Erros

Todas as Ruas do Amor - F...

Gone fishing

Diego Vélasquez

de besta a bestial

A Recusa

F.A.

as eternidades já se acab...

arquivos

tags

todas as tags

crème de la crème

Breve história dum abraço...

...

balanço

Adrift

Silêncio

Procuro

Como quem rasga poemas...

um momento

evasões?

Auto-retrato

links

comentários recentes

espelhos de bolso.pequeninos, deprimem-nos- fazem-...
muito bonito , muito tocantegostei bastante !PARAB...
É muito útil para me.I foi muito feliz em encontra...
Nice informações apresentadas no post, obrigado p...
Boa noite!Sou o proprietário de uma obra inédita d...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
Já regressei, minha querida. Aliás, nunca fui long...
Só hoje vi o fim do teu blog... Sinceramente, lá d...
Não. não és só tu a perder calçado!Neste momento e...
Os filmes indianos têm aquele problemas.... há mus...

subscrever feeds