Terça-feira, 26 de Abril de 2005

...

Hoje foi um dia daqueles, que passa e que cansa. Pior do que uma segunda-feira, foi terça-feira depois da promessa de fim-de-semana prolongado não ter cumprido o descanso que devia. Acordei já com os olhos pouco vivos, arrastei-me para a banheira enquanto os ombros ainda estalavam de preguiça contra a almofada velha. Estalam ainda, novamente de preguiça, e vontade de se entalarem entre o colchão duro e disciplinador (que eu adoro, a sério) e o lençol que ainda cheira a lavado. Mas prometi-me que não ia terminar o dia sem fazer alguma coisa que pelo menos contribuísse para um objectivo MEU. E cá estou, dadas as já poucas forças para lutar por objectivos maiores e mais nobres (ou talvez mais egoístas).
Hoje revi uma grande amiga que esteve fora uns tempos. É curioso, e tão confortável, quando a euforia do reencontro se esgota nos primeiros cinco minutos para dar lugar ao mesmo sentimento de sempre, à amizade despretensiosa e desinteressada (a verdadeira, afinal) que só busca a amizade no outro, nada mais. Tudo recomeça do ponto em que ficou suspenso, nenhuma estranheza resta, tão pouco desconfiança de que algo se tenha alterado. E isto acontece mesmo se o nosso amigo do peito te tiver eclipsado durante um ano, dois, ou mais. Verdade, verdadinha. É talvez um dos melhores prémios de vida que se pode ter: saber que onde quer que se esteja, há alguém que nos guarda no coração desinteressadamente, "apenas" porque gosta de nós. E "apenas" é tanto... Pode ser quase tudo.
E durante todo o dia desejei estar noutro lugar. Quanto mais tempo passo naquele lugar que me consome os dias, mas vontade tenho de voar rumo a outras tempestades. Sentirei falta de pessoas, é certo. Mas deixarei esses contras para quando os prós forem realidade e me aplacarem as tristezas. Pensar que durante anos sonhei... e que o sonho tem, afinal, tão pouco de cor-de-rosa. Sonhos novos, os anos passam, com alguma pressa, e eu sem pressa de os ver passar. Gostava de contar para trás uns sete ou oito, talvez. Mas não, não me arrependo de nada, não faz o meu feitio, aquele que dizem que é mau. Pode ser mau, mas é o meu e o único que tenho...
Não gostei deste dia. Não ouvi uma boa canção, não vi um bom filme, não tirei uma foto nem adiantei a filosofia. Nem sequer escrevi nada de jeito... Vou apagar este dia da sua existência histórica e com ele todas as marcas que provam que tenha existido. Pelo avançado da hora, diria mesmo que hoje já é quase amanhã.


O vento anda, corre e voa!

publicado por Ventania às 23:58
link do post | comentar | favorito
|

sobre mim

pesquisar

 

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

THE END

Maluda II

Nobody understands (me)

Às vezes não entendo

SHIUUUU

Out of reach

take 1

sem comentários...

Maluda

Choose...

07-07

Horto de incêndio - Al Be...

Que trabalho - Eugénio de...

...

You Are Welcome to Elsino...

...

Mário Cesariny

Sinastria amorosa de Vent...

Definições

Amedeo Modigliani

Mesmo?

...

I mean it

no teu poema - José Luís ...

Sit Down - James

Klimt

A romã

One of these days / Um di...

esferográficas

Manuel Cargaleiro

Somewhere to go, somethin...

Um baú mal fechado

Frida Kahlo

Something's missing

...

...

À janela, no Chiado

Henri de Toulouse-Lautrec

Post Scriptum para F.

...

O AMOR QUANDO SE REVELA -...

...

Erros

Todas as Ruas do Amor - F...

Gone fishing

Diego Vélasquez

de besta a bestial

A Recusa

F.A.

as eternidades já se acab...

arquivos

tags

todas as tags

crème de la crème

Breve história dum abraço...

...

balanço

Adrift

Silêncio

Procuro

Como quem rasga poemas...

um momento

evasões?

Auto-retrato

links

comentários recentes

espelhos de bolso.pequeninos, deprimem-nos- fazem-...
muito bonito , muito tocantegostei bastante !PARAB...
É muito útil para me.I foi muito feliz em encontra...
Nice informações apresentadas no post, obrigado p...
Boa noite!Sou o proprietário de uma obra inédita d...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
Já regressei, minha querida. Aliás, nunca fui long...
Só hoje vi o fim do teu blog... Sinceramente, lá d...
Não. não és só tu a perder calçado!Neste momento e...
Os filmes indianos têm aquele problemas.... há mus...

subscrever feeds