Domingo, 1 de Maio de 2005

Surpresa!

Quis a minha agenda social, com picos muito altos e vales de marasmo profundo, em alternância pouco homogénea, que ontem tentasse fazer caber "o Rossio na Rua da Betesga", que é como quem diz, em 16 horas úteis conseguir produzir reflexões originais para botar na caixinha das filosofias (isto ontem, como hoje, excepcionalmente, é trabalho), atravessar o Tejo sobre 4 rodas, ir ver um filme de piratas, comer qualquer coisa, rumar aos subúrbios para testemunhar jovens talentos teatrais incipientes, enveredar pelos antros de consumo que normalmente abomino e tomar muitas decisões (com o propósito único de encontrar o presente perfeito para o Dia da Mãe - eu sei, eu sei...), voltar a atravessar o Tejo e encontrar-me com amigos que festejam um ano desde o último festejo similar. Exacto, é demasiado, até mesmo (e sobretudo) para caber tudo numa só frase. Claro que não consegui. O trânsito nunca colabora nos dias mais preenchidos, o filme já tinha começado, o tempo encolhe e... não deu. Cumpri parte dos planos que tinha, o que já foi bastante positivo.
Mas não era nada destas angústias, que só o são porque há dias que bem podiam ter 50 horas (só para não ser 48), que queria falar/escrever.A bem da verdade, quero dizer ao mundo que ontem fui surpreendida. Quero dizer ao mundo que recuperei um pouco a fé na natureza humana, essa mesma que perco um pouco todos os dias. E nem sequer foi preciso nenhum acto heróico de abnegação extraordinária, de altruísmo comovente. Muito mais simples. (As melhores coisas da vida são as mais simples, não é?) Decidi jantar num sítio diferente. Pasmem-se as almas, era fast food e foi absolutamente excelente, sob todos os aspectos. Mesmo, genuinamente, excelente. A comida diferente (grega, por sinal), de temperos aromáticos e sãos, regada com uma simpatia transbordante, um inequívoco bem-querer, um cuidado incomum no trato. A gentileza tomou forma de pessoa num corpo masculino de meia idade, de tez dourada (origem grega, estou a supor) e cabelos grisalhos. É tão raro nestes dias ter um atendimento ao balcão que nos faz sentir gente. Ali fomos tratados como velhos amigos, sem nunca antes nos termos visto.
Como não posso mandar nos destinos dos homens (e sou arrogante o suficiente para achar que gostaria de ter esse poder), não posso enviar este senhor directamente para o reino dos puros de coração magnânime, o Céu para quem for de catolicismos, nem vou detalhar as pequenas surpresas deliciosas para a alma com que me presenteou, não vão todos quantos lêem este blog (e serão, praí, uns 2...) esperar do simpaticíssimo grego tratamento similar. Mas o que posso fazer é partilhar a experiência, recomendá-la a quem mo permita. Pois cá está a rota: Saldanha Residence (Lisboa), descer as escadas e logo atrás do piano: ARIES. Vale a pena.



O vento anda, corre e voa!

publicado por Ventania às 19:27
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Paulo a 1 de Maio de 2005 às 20:48
a comida grega é excelente! pode ser que consiga ir lá...
De lima a 3 de Maio de 2005 às 09:21
ok, já anotei! Obrigada!

Comentar post

sobre mim

pesquisar

 

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

THE END

Maluda II

Nobody understands (me)

Às vezes não entendo

SHIUUUU

Out of reach

take 1

sem comentários...

Maluda

Choose...

07-07

Horto de incêndio - Al Be...

Que trabalho - Eugénio de...

...

You Are Welcome to Elsino...

...

Mário Cesariny

Sinastria amorosa de Vent...

Definições

Amedeo Modigliani

Mesmo?

...

I mean it

no teu poema - José Luís ...

Sit Down - James

Klimt

A romã

One of these days / Um di...

esferográficas

Manuel Cargaleiro

Somewhere to go, somethin...

Um baú mal fechado

Frida Kahlo

Something's missing

...

...

À janela, no Chiado

Henri de Toulouse-Lautrec

Post Scriptum para F.

...

O AMOR QUANDO SE REVELA -...

...

Erros

Todas as Ruas do Amor - F...

Gone fishing

Diego Vélasquez

de besta a bestial

A Recusa

F.A.

as eternidades já se acab...

arquivos

tags

todas as tags

crème de la crème

Breve história dum abraço...

...

balanço

Adrift

Silêncio

Procuro

Como quem rasga poemas...

um momento

evasões?

Auto-retrato

links

comentários recentes

espelhos de bolso.pequeninos, deprimem-nos- fazem-...
muito bonito , muito tocantegostei bastante !PARAB...
É muito útil para me.I foi muito feliz em encontra...
Nice informações apresentadas no post, obrigado p...
Boa noite!Sou o proprietário de uma obra inédita d...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
Já regressei, minha querida. Aliás, nunca fui long...
Só hoje vi o fim do teu blog... Sinceramente, lá d...
Não. não és só tu a perder calçado!Neste momento e...
Os filmes indianos têm aquele problemas.... há mus...

subscrever feeds