Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

Breve história dum abraço à beira-chuva

Desejo-te perto e vens buscar-me, levas-me de urgência escadas abaixo para contemplar o rio à beira-chuva. Descalços, ambos, por relvas e troncos e pardais. Sensualidade molhada de seios e umbigo, arrepios, do frio e da proximidade da tua pele. Não sorris, sequer vocalizas o que quer que seja. Os teus dois olhos escurecidos, carregados de verdade. Pegas-me nos pulsos e olhas-me de frente como se me fosses anunciar um fim de mundo. Sério, grave. Os lábios entreabrem-se como que a desenhar palavras no ar, como que a tomar coragem. Toda eu um ponto de interrogação, exclamação, reticências… O cabelo molhado, sem ordem, a enganar. Um fingido cansaço desarma e a respiração acelera. Pingos grossos acariciam a cara, lambem os ombros, deslizam matreiros pelas costas. A névoa que sempre separa os meus olhos dos teus dissipa-se num bafo. Procuro ler-te, ansiosa por pular para dentro dum sonho. Murmuras: “E se disser que gosto de ti?” Conheço bem esta espiral, que sempre impões diante de mim, sem portas nem refúgios, apenas o infinito, aberto, à espera de ser colhido. “Quando o pensamento de mim te siga a todas as horas, quando souberes que a vontade é maior do que só a de ter o casulo do ego acarinhado; Quando reconheceres muito mais que uma doce empatia. Quando sob pálpebras cerradas o coração chamar o meu nome. Só nesse dia voltarás a ter-me tua.”

Solto uma mão e com um polegar afago a tua face desmascarada. Apertas-me contra o peito, não te importas de confessar uma lágrima, espessa, outra. Carinho, dor, amor, identidade. Estes que somos.

Por te amar, mudei. E decidi tornar a amar só quando esse dia chegar. Naquele abraço permanecemos, sem tempo, enquanto a chuva molhar.

publicado por Ventania às 05:50
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Veruska a 20 de Abril de 2009 às 23:56
Gostei! ;) E gostava de ser abraçada assim!
De Violante a 25 de Abril de 2009 às 14:40
Não tenho palavras!!

Tão intenso, tão lindo!

gostava de escrever algo sim:) ou, quem sabe um dia, de VIVER algo assim!:)

AMEI!
De Ventania a 4 de Maio de 2009 às 21:57
Nem todas as palavras transformam a realidade... É pena.

Comentar post

sobre mim

pesquisar

 

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

THE END

Maluda II

Nobody understands (me)

Às vezes não entendo

SHIUUUU

Out of reach

take 1

sem comentários...

Maluda

Choose...

07-07

Horto de incêndio - Al Be...

Que trabalho - Eugénio de...

...

You Are Welcome to Elsino...

...

Mário Cesariny

Sinastria amorosa de Vent...

Definições

Amedeo Modigliani

Mesmo?

...

I mean it

no teu poema - José Luís ...

Sit Down - James

Klimt

A romã

One of these days / Um di...

esferográficas

Manuel Cargaleiro

Somewhere to go, somethin...

Um baú mal fechado

Frida Kahlo

Something's missing

...

...

À janela, no Chiado

Henri de Toulouse-Lautrec

Post Scriptum para F.

...

O AMOR QUANDO SE REVELA -...

...

Erros

Todas as Ruas do Amor - F...

Gone fishing

Diego Vélasquez

de besta a bestial

A Recusa

F.A.

as eternidades já se acab...

arquivos

tags

todas as tags

crème de la crème

Breve história dum abraço...

...

balanço

Adrift

Silêncio

Procuro

Como quem rasga poemas...

um momento

evasões?

Auto-retrato

links

comentários recentes

espelhos de bolso.pequeninos, deprimem-nos- fazem-...
muito bonito , muito tocantegostei bastante !PARAB...
É muito útil para me.I foi muito feliz em encontra...
Nice informações apresentadas no post, obrigado p...
Boa noite!Sou o proprietário de uma obra inédita d...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
Já regressei, minha querida. Aliás, nunca fui long...
Só hoje vi o fim do teu blog... Sinceramente, lá d...
Não. não és só tu a perder calçado!Neste momento e...
Os filmes indianos têm aquele problemas.... há mus...

subscrever feeds