Domingo, 17 de Maio de 2009

...

Já ninguém tem paciência para dramas que não sejam seus…

publicado por Ventania às 17:40
link do post | comentar | favorito
|
11 comentários:
De G. a 17 de Maio de 2009 às 20:53
Amén!
De Ventania a 17 de Maio de 2009 às 21:25
Talvez seja uma crítica e não um suspiro...
De G. a 17 de Maio de 2009 às 22:08
Amén na mesma.
De Ventania a 17 de Maio de 2009 às 23:03
=)
De John Doe a 18 de Maio de 2009 às 14:04
Estou aqui.
De Ventania a 18 de Maio de 2009 às 22:09
Mas tu... Não existes... Terás de ser inventado! ;)
De John Doe a 19 de Maio de 2009 às 09:46
Existo sim... Acredita que sim
De miúda a 18 de Maio de 2009 às 19:49
Andamos tão atarefados e sisudos com os nossos próprios dramas que olhar um pouco para o lado e para os outros se torna superfluo e dispensável. O tempo ou a falta dele desculpabilizam a nossa mesquinhês e egocentrismo momentanea...
***
De Ventania a 18 de Maio de 2009 às 22:18
Estamos todos tão concentrados em curtir ao máximo as nossas dores que nos esquecemos que mesmo do ponto de vista puramente egocêntrico pode ser benéfico expiar dores alheias.
Se cada um de nós aspira a ser o centro gravítico do sistema solar, como poderemos viver em comunhão com os outros?...
=*
De miúda a 19 de Maio de 2009 às 00:41
Acho que se torna impossivel viver em comunhão com os outros. Os nossos umbigos são sempre os unicos para onde olhamos, consideramo-nos o centro do universo e por vezes chegamos ao ponto de nos gabarmos disso mesmo.Mas é assim que muitas vezes tem de ser. Há uns meses atrás pediram-me que parasse porque me estava a destruir. Vivi em função dos dramas alheios procurando-lhes a solução e acrescentando-os os meus proprios dramas que ficaram esquecidos. Eu não tenho o mundo para carregar ás costas.
As dores alheias tem tanto de benefico como de claustrofibico, pois aprisionam-nos em nós mesmos sem que nos apercebamos. Dramas por dramas, que se viva os nossos, pois ao menos fazem o seu sentido e fazem parte da cruz que nos compete carregar... aprendi isso da melhor maneira, com os meus erros...
***
De Ventania a 20 de Maio de 2009 às 21:40
Sim, as dores alheias podem ser uma prisão, chegam a doer na própria pele... Como no resto, somos errantes entre um e outro extremo, em busca do eterno e miraculoso equilíbrio. =*

Comentar post

sobre mim

pesquisar

 

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

THE END

Maluda II

Nobody understands (me)

Às vezes não entendo

SHIUUUU

Out of reach

take 1

sem comentários...

Maluda

Choose...

07-07

Horto de incêndio - Al Be...

Que trabalho - Eugénio de...

...

You Are Welcome to Elsino...

...

Mário Cesariny

Sinastria amorosa de Vent...

Definições

Amedeo Modigliani

Mesmo?

...

I mean it

no teu poema - José Luís ...

Sit Down - James

Klimt

A romã

One of these days / Um di...

esferográficas

Manuel Cargaleiro

Somewhere to go, somethin...

Um baú mal fechado

Frida Kahlo

Something's missing

...

...

À janela, no Chiado

Henri de Toulouse-Lautrec

Post Scriptum para F.

...

O AMOR QUANDO SE REVELA -...

...

Erros

Todas as Ruas do Amor - F...

Gone fishing

Diego Vélasquez

de besta a bestial

A Recusa

F.A.

as eternidades já se acab...

arquivos

tags

todas as tags

crème de la crème

Breve história dum abraço...

...

balanço

Adrift

Silêncio

Procuro

Como quem rasga poemas...

um momento

evasões?

Auto-retrato

links

comentários recentes

espelhos de bolso.pequeninos, deprimem-nos- fazem-...
muito bonito , muito tocantegostei bastante !PARAB...
É muito útil para me.I foi muito feliz em encontra...
Nice informações apresentadas no post, obrigado p...
Boa noite!Sou o proprietário de uma obra inédita d...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
Já regressei, minha querida. Aliás, nunca fui long...
Só hoje vi o fim do teu blog... Sinceramente, lá d...
Não. não és só tu a perder calçado!Neste momento e...
Os filmes indianos têm aquele problemas.... há mus...

subscrever feeds