Domingo, 31 de Maio de 2009

...

 


     Kundera já me tinha aprisionado nos seus enredos, metáforas inebriantes, onde sempre me fazia sentir mais próxima de mim, ou daquela que pretendia ser. Comecei pela óbvia, inevitável, Insustentável Leveza, sequiosa de emoções poéticas como só na adolescência se consegue, do alto duma incipiente arrogância intelectual que não domei convenientemente até hoje. Foi assim que descobri que “A Vida Não É Aqui”, ou que antes aquela inconformada sentença me pescou irremediavelmente, nos iscos palavreosos do poeta Jaromil. Jaromil, nome curioso que nunca se me despegou da memória, do protagonista que fazia sentir à deriva nos ecos da sua estória. Estranho duplicado de intenções… Chorava-lhe as dores como se fossem minhas, vivia as suas ousadias como se me pudesse atrever.

Este é um romance sofrido, distante, ou talvez demasiado pessoal, que me deixou, escritas em cicatrizes, algumas mágoas angustiantes (como a da penúltima página, quase como um castigo, se me abrir numa estéril brancura, nua de sequer um esboço de letra).

Hoje, à distância de mais de uma década vertida, entre o gotejar de dias e horas e apressados anos de fotografias trémulas, já nem saberia reproduzir a narrativa com um mínimo de fidelidade. Traiçoeira, ou apenas selectiva, a memória que me fez guardar deste romance o que de melhor me trouxe: um sentimento de identificação de ideais, de não conformidade, da diferença que acreditava então ser fulcral à afirmação pessoal. Hoje, ao invés de chorar por estar deslocada na vida, ou esta deslocada de mim, julgo ter aprendido que maravilhoso é o aprender, o buscar, a verdade de quem se é; que a aventura da viagem é de facto mais importante que a chegada a um destino previsível.

tags:
publicado por Ventania às 23:18
link do post | comentar | favorito
|

sobre mim

pesquisar

 

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

THE END

Maluda II

Nobody understands (me)

Às vezes não entendo

SHIUUUU

Out of reach

take 1

sem comentários...

Maluda

Choose...

07-07

Horto de incêndio - Al Be...

Que trabalho - Eugénio de...

...

You Are Welcome to Elsino...

...

Mário Cesariny

Sinastria amorosa de Vent...

Definições

Amedeo Modigliani

Mesmo?

...

I mean it

no teu poema - José Luís ...

Sit Down - James

Klimt

A romã

One of these days / Um di...

esferográficas

Manuel Cargaleiro

Somewhere to go, somethin...

Um baú mal fechado

Frida Kahlo

Something's missing

...

...

À janela, no Chiado

Henri de Toulouse-Lautrec

Post Scriptum para F.

...

O AMOR QUANDO SE REVELA -...

...

Erros

Todas as Ruas do Amor - F...

Gone fishing

Diego Vélasquez

de besta a bestial

A Recusa

F.A.

as eternidades já se acab...

arquivos

tags

todas as tags

crème de la crème

Breve história dum abraço...

...

balanço

Adrift

Silêncio

Procuro

Como quem rasga poemas...

um momento

evasões?

Auto-retrato

links

comentários recentes

espelhos de bolso.pequeninos, deprimem-nos- fazem-...
muito bonito , muito tocantegostei bastante !PARAB...
É muito útil para me.I foi muito feliz em encontra...
Nice informações apresentadas no post, obrigado p...
Boa noite!Sou o proprietário de uma obra inédita d...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
Já regressei, minha querida. Aliás, nunca fui long...
Só hoje vi o fim do teu blog... Sinceramente, lá d...
Não. não és só tu a perder calçado!Neste momento e...
Os filmes indianos têm aquele problemas.... há mus...

subscrever feeds