Domingo, 28 de Junho de 2009

Definições

A Amizade e o Amor partilham paralelismos nas suas (minhas) definições. Uma, como o outro, não me fazem sentido sem reciprocidade. São laços que unem duas pontas, nós mais ou menos intrincados, mais ou menos apertados, mas sempre dependentes da outra parte, que um nó a atar-se a si mesmo, sem ter onde amarrar, passa a ser apenas um grande embróglio de fios, imiscuídos em si mesmos.

 


 

 

Friendship isn’t how you forget, but how you forgive. Not how you listen, but how you understand. Not how you see, but how you feel. Not how you let go, but how you hold on.

 

sinto-me: right here where I belong
música: Placebo - pure morning
tags: ,
publicado por Ventania às 11:05
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Junho de 2009

...

Antes vazio e parado que cheio de enganos e corrosivas ilusões.

'Tá estragado, não há sobresselente nem recauchutagem possível. Antes apeado que a derrapar nos óleos alheios.

 

 

publicado por Ventania às 03:09
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 16 de Junho de 2009

A romã

Foi tua, foi minha, doce, aos pequenos gomos que se derretem nos sabores das línguas. Canivete, carroças, calor. Ácido, cheira a quarenta graus e a espiritualidade. Flores de lótus. Lado a lado, sem palavras, obtusas, desnecessárias. Partilha. Fertilidade, ternura, aventura. Começos, intervalos, reticências nos esquecimentos. Pausa em tudo o que nos acostumámos a ser. Sexo(s). Franja suada, colada à testa, ventoinhas cantoras testemunhas, duches de paz e de beijos. O reverso. Romã é Amor ao contrário.

Maluda

Devia ter comido só figos.

publicado por Ventania às 19:59
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

Breve história dum abraço à beira-chuva

Desejo-te perto e vens buscar-me, levas-me de urgência escadas abaixo para contemplar o rio à beira-chuva. Descalços, ambos, por relvas e troncos e pardais. Sensualidade molhada de seios e umbigo, arrepios, do frio e da proximidade da tua pele. Não sorris, sequer vocalizas o que quer que seja. Os teus dois olhos escurecidos, carregados de verdade. Pegas-me nos pulsos e olhas-me de frente como se me fosses anunciar um fim de mundo. Sério, grave. Os lábios entreabrem-se como que a desenhar palavras no ar, como que a tomar coragem. Toda eu um ponto de interrogação, exclamação, reticências… O cabelo molhado, sem ordem, a enganar. Um fingido cansaço desarma e a respiração acelera. Pingos grossos acariciam a cara, lambem os ombros, deslizam matreiros pelas costas. A névoa que sempre separa os meus olhos dos teus dissipa-se num bafo. Procuro ler-te, ansiosa por pular para dentro dum sonho. Murmuras: “E se disser que gosto de ti?” Conheço bem esta espiral, que sempre impões diante de mim, sem portas nem refúgios, apenas o infinito, aberto, à espera de ser colhido. “Quando o pensamento de mim te siga a todas as horas, quando souberes que a vontade é maior do que só a de ter o casulo do ego acarinhado; Quando reconheceres muito mais que uma doce empatia. Quando sob pálpebras cerradas o coração chamar o meu nome. Só nesse dia voltarás a ter-me tua.”

Solto uma mão e com um polegar afago a tua face desmascarada. Apertas-me contra o peito, não te importas de confessar uma lágrima, espessa, outra. Carinho, dor, amor, identidade. Estes que somos.

Por te amar, mudei. E decidi tornar a amar só quando esse dia chegar. Naquele abraço permanecemos, sem tempo, enquanto a chuva molhar.

publicado por Ventania às 05:50
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Domingo, 19 de Abril de 2009

o tempo não volta para trás

Há quem não desista.

Há quem acredite no amor à primeira-vista.

Há quem consiga encontrar agulhas em palheiros.


E tu? Em que acreditas?

publicado por Ventania às 00:32
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Sexta-feira, 17 de Abril de 2009

Come Away With Me - Norah Jones

 

 

Come away with me in the night 

Come away with me 
And I will write you a song 


Come away with me on a bus 
Come away where they can't tempt us 
With their lies 

I want to walk with you 
On a cloudy day 
In fields where the yellow grass grows knee-high 
So won't you try to come 

Come away with me and we'll kiss 
On a mountaintop 
Come away with me 
And I'll never stop loving you 

And I want to wake up with the rain 
Falling on a tin roof 
While I'm safe there in your arms 
So all I ask is for you 
To come away with me in the night 
Come away with me 

publicado por Ventania às 05:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 15 de Março de 2009

let me hug you

 

 

I still miss you...

I still miss your smile...

I still miss your light...

I still want (you to want me) to hug you...

 

publicado por Ventania às 23:59
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 14 de Março de 2009

...

Ainda sobre o amor eterno... com humor.

 

 

sinto-me: a prescrever
publicado por Ventania às 19:37
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Março de 2009

O Sorriso - Eugénio de Andrade

 

 

Creio que foi o sorriso, 

o sorriso foi quem abriu a porta. 
Era um sorriso com muita luz 
lá dentro, apetecia 
entrar nele, tirar a roupa, ficar 
nu dentro daquele sorriso. 
Correr, navegar, morrer naquele sorriso.
                 

 

 

I miss your smile...
I miss your light...

             I miss you...

 

 

sinto-me: wishing for
publicado por Ventania às 07:07
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Março de 2009

...

Quando não couberes num poema

[estandarte]

Quando o frio te arrepiar a nuca

[sussurro]

Quando no topo da solidão olhares em volta

[segredo]

Quando sorveres do imediato o último suspiro

Estará lá o meu abraço aberto, porto de abrigo

Estará o meu Amor a envolver-te

E um beijo a embalar-te

 

Quando te encontrares e no reflexo me vires

Quando ousares galopar sem medo o sonho

Mergulha no meu mar

Amor

Entrega-te sem pesos

Deixa a bagagem, a roupa e as fugas na margem

 

Eu sou tua

Amor

Rendida

Encontra alento num canto de dor

Deixa-te voar comigo

sinto-me: rendida, despida...
tags: , , ,
publicado por Ventania às 18:58
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 28 de Fevereiro de 2009

?

I can't be who you are...

Though I'm becoming who I'd rather you had never been.

sinto-me: karma comes, karma goes
música: Linkin Park - Leave Out All the Rest
publicado por Ventania às 23:32
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Pablo Neruda

 

Tu eras também uma pequena folha

que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.

sinto-me: escreve-me um poema!
publicado por Ventania às 19:05
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009

...

 

sinto-me: lost (in translation)
publicado por Ventania às 20:12
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2009

um momento

Hoje atrevi-me a revisitar aquele céu dramático, pautado de guarda-rios, onde o paraíso estava tão perto. Ouvi o som das doces águas, da tua voz, o cheiro dos lírios entranhou-se na minha alma. Por um momento, um bater de asas duma efémera, o tempo parou e a realidade ausentou-se de mim. Sopraste-me um beijo… e tornei a ser feliz.

Quem te deu esse direito, de pôr e dispor do brilho dos meus olhos com o abrir dum sorriso? Quem deixou a porta do infinito aberta para que invadisses o meu mundo com um mero vislumbre de ti? Irónico o modo do Universo esbofetear quem se atreve a duvidar, quem insiste em encurtar as rédeas das emoções.

sinto-me: sad to be back
publicado por Ventania às 21:59
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Terça-feira, 10 de Fevereiro de 2009

No Regrets - Robbie Williams

We can call it whatever we want to, we used to call it love. It is long gone now, I just want to make it clear that the love we once had, is DEAD. And I have never hated you.


"No Regrets"

Tell me a story
Where we all change
And we'd live our lives together
And not enstranged

I didn't lose my mind it was
Mine to give away
Couldn't stay to watch me cry
You didn't have the time
So I softly slip away...

No regrets they don't work
No regrets they only hurt
Sing me a love song
Drop me a line
Suppose it's just a point of view
But they tell me I'm doing fine

I know from the outside
We looked good for eachother
Felt things were going wrong
When you didn't like my mother

I don't want to hate but that's
All you've left me with
A bitter aftertaste and a fantasy of
How we all could live

No regrets they don't work
No regrets they only hurt
(We've been told you stay up late)
I know they're still talking
(You're far too short to carry weight)
The demons in your head
(Return the videos they're late)
If I could just stop hating you
(Goodbye)
I'd feel sorry for us instead

Remember the photographs (insane)
The ones where we all laugh (so lame)
We were having the time of our lives
Well thank you it was a real blast

No regrets they don't work
No regrets they only hurt
Write me a love song
Drop me a line
Suppose it's just a point of view
But they tell me I'm doing fine

Everything I wanted to be every
Time I walked away
Everytime you told me to leave
I just wanted to stay
Every time you looked at me and 
Everytime you smiled
I felt so vacant you treat me like a child
I loved the way we used to laugh
I loved the way we used to smile
Often I sit down and think of you
For a while
Then it passes by me and I think of
Someone else instead
I guess the love we once had is
Officially dead 

publicado por Ventania às 22:21
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 8 de Fevereiro de 2009

Soneto de Fidelidade - Vinicius de Moraes

 


De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

 

 

Hoje, poderia ser tua para sempre.

sinto-me: on hold
publicado por Ventania às 20:20
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 2 de Fevereiro de 2009

Como quem rasga poemas...

 

O AMOR

 

"Quero fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão. Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria.
Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo". O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser 
desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam "praticamente" apaixonadas.
Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço. Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do "tá tudo bem, tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas. Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo? O amor é uma coisa, a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental". Odeio esta mania contemporânea por sopas e 
descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade. Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não dá para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, 
não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem. Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir.
A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a vida inteira, o amor não. Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também."

 

 

 

 

 

 

 

Miguel Esteves Cardoso

 

usurpado do Pingo de Mel

 

tags: , ,
publicado por Ventania às 06:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

sobre mim

pesquisar

 

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Definições

...

A romã

Breve história dum abraço...

o tempo não volta para tr...

Come Away With Me - Norah...

let me hug you

...

O Sorriso - Eugénio de An...

...

?

Pablo Neruda

...

um momento

No Regrets - Robbie Willi...

Soneto de Fidelidade - Vi...

Como quem rasga poemas...

Procuro

why?

You're the missing piece

Disk Cleanup

Wham e George Michael

Fundo do Baú I

Favorite Adventure - K's ...

I can't make you love me

Wicked Game

Gosto de ti, porque sim!

Sejamos...

O fim da semana

in love with...

simetrias

Perdida por ti - Lúcia Mo...

arquivos

tags

todas as tags

crème de la crème

Breve história dum abraço...

...

balanço

Adrift

Silêncio

Procuro

Como quem rasga poemas...

um momento

evasões?

Auto-retrato

links

comentários recentes

espelhos de bolso.pequeninos, deprimem-nos- fazem-...
muito bonito , muito tocantegostei bastante !PARAB...
É muito útil para me.I foi muito feliz em encontra...
Nice informações apresentadas no post, obrigado p...
Boa noite!Sou o proprietário de uma obra inédita d...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
Já regressei, minha querida. Aliás, nunca fui long...
Só hoje vi o fim do teu blog... Sinceramente, lá d...
Não. não és só tu a perder calçado!Neste momento e...
Os filmes indianos têm aquele problemas.... há mus...

subscrever feeds