Segunda-feira, 27 de Abril de 2009

F.A.

Fustigados por desamores e espinhos q.b., ele era receios sem fim, ela destemida de asas abertas. Renderam-se ambos, deram-se as mãos, decisões, trocaram corações. Ela vontade de ir, ele ansiedade de chegar. Ele águas e ondas, ela ventos e montes. Gostaram-se. Do outro e mais de cada um nos reflexos do outro. Descobertas, reticências, ternuras e cedências. Laços dum, amarras doutro.

Um de estar, outro de vagabundear. Um de nuvens, outro de mar. Um de efémero, outro de brutal. Um de neve, outro de areal. Um de fiel, outro de planar. Um de leis, outro das quebrar.

Ela insistia que o sonho cheirava a flores e ervas, ele sem forças para correr nos bosques. Ele de braços abertos, ela de punhos cerrados. Ela de olhos postos, ele de pés fincados.

Ela do norte, ele do sul. Se ela chorava, ele a abraçava. Se ela beijava, ele a desejava. Se ele esmorecia, ela o elevava.

Um a puxar, o outro a deixar estar. Ele a dormir, ela a sonhar. Ele a sorrir, ela a cantar. Equilibravam-se num ponto médio, longe do centro gravítico do ser. Ele mentia, ela sabia. Ela fugia, ele permitia.

Ele desertou. Ela libertou.

Não se pode voar quando as asas estão acorrentadas. É dia de celebrar a liberdade.

 

publicado por Ventania às 14:38
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009

Sopa de letras

Todos os meus amigos me dão bons conselhos. Em última análise, todos me dão o mesmo conselho… Se não os sigo não é por não saber que são bons, os melhores, ponderados e que vêm de quem me conhece e me quer bem. Tenho dificuldade em perceber o que é que realmente quero e como fazer as coisas da melhor maneira, sem me magoar e sem magoar mais ninguém.


A C., que me conhece profundamente e que me adivinha, que esteve lá todos os dias, incessantemente, a amparar cada grito mudo, compreende que o P. me abalou o sistema como nenhum outro homem o poderia alguma vez fazer, compreende que vai ainda muito além da personificação de todos os ideais (até o F. sabia disso). Sabe que as cicatrizes não saram nunca e teme que a minha vida seja pautada por este sentimento, tão avassalador que não se sabe como gerir, que transvasa e perde dimensão nas definições meramente verbais. Compreende que provavelmente poderia gostar tanto do P.C. como gostei do F., a lifetime ago, com todos os significados que isto acarreta. As diferenças são o que entretanto aprendi e cresci, os erros que não voltarei a cometer, são os sonhos que sonhei e os sentimentos que descobri.

O G. é fã do P.C. por todas as razões óbvias: o tipo é perfeito, charmoso, romântico, tem encantos que não acabam e uma rara e apetecível doçura; o G. sente as coisas da mesma maneira que eu e verbaliza até os pensamentos que eu faço por ignorar. E acredita desde o primeiro momento que existe aqui um romance por escrever (ou talvez seja uma canção), apesar de entender que o P., ele próprio, com aquele mau génio e aparente frieza, me fascina simplesmente por ser ele.

A L. sabe que a indefinição de sentimentos é lixada e que as relações não dependem apenas de sentimentos, mas de timings, de memórias, de circunstâncias… Sempre terra-a-terra, chama-me à realidade quando já deixei a imaginação levar-se por um papagaio de papel, com uma pergunta desarma-me e coloca em causa as minhas próprias certezas.

A S. sabe que as paixões nos fazem perder o norte e confia que eu tenha alguma lucidez para não repetir os erros que critico. É o exemplo real de que, quando menos se espera, a bússola emocional toma juízo e os olhos abrem-se para ver o que sempre foi óbvio.

A R. ainda não se inteirou da profundidade da estória, não compreende as atitudes de nenhum dos dois, mas confia no final cor-de-rosa-algodão-doce, com toda a sua candura e justa indignação. Já o M. disponibilizou a sua rede de contactos para arranjar um outro protagonista para este enredo, provavelmente a solução mais simples, fora a vida uma equação.

O C. temeu quando lhe contei o que ia fazer; quando percebeu que não estava a brincar (levo os meus sonhos muito a sério) profetizou uma mudança que afinal foi temporária. Não tem conselho para mim, por se ver reflectido no P. Curiosamente, são diametralmente opostos um do outro em tudo o resto, menos no estoicismo quixotesco que o resto do mundo sabe ser um cómodo escudo para as dores que se arrastam.

A L.C. confirma que há pessoas cuja mera presença nos é nefasta, que o único caminho é em frente; e também sabe que há pessoas que não nos permitem continuar por esse caminho, porque nos amarram para sempre. Será que é o impossível que nos atrai, pelo desafio, pelo lado poético do drama?

A M.B. conhece-me há poucos meses, mas o suficiente para me adivinhar as angústias e diagnosticar que o P. é apenas um tonto a perder tempo, dele e nosso. E tem toda a razão. Não quero seguir estes passos, o meu tempo é demasiado precioso, cada minuto que perco nos lamentos é um minuto a menos da minha rota.

A M. disse-me há dias que sempre achou que o F. não tinha nada a ver comigo. E não tinha mesmo, mas talvez fosse parte do encanto; os opostos (des)equilibram-se? Uma coisa é certa: libertei-me dum fardo de condicionalismos que nunca podiam ser para mim.

A M.M. conhece o P. melhor que eu e bem melhor que a mim. Vê-se arrastada para tumultos emocionais quando só quer estar sossegada e achar a sua felicidade, onde não sabe mas sabe que será longe do P. Acha que devo, mais uma vez, tentar uma abordagem que o obrigue a escutar e a encontrar uma racionalidade no irracional que é gostar de alguém assim, como eu gosto dele. Aconselha-me o mesmo que eu aconselho ao outro vértice do triângulo.

A T. detesta ambos (um por motivos pessoais e o outro porque me faz sofrer). Já sofreu as mesmas dores, lamenta um percurso triste, e congratula-se do momento em que o céu ficou mais claro e a chuva parou.

A C. acha que a chave para conquistar um homem é maltratá-lo, seduzi-lo e ocultar o lado lunar. Por mais que me sinta tentada a atestar que esta teoria resulta, não me consigo colocar nesse papel. Não sei ser quem devo, só sei ser quem sou. E perco tanto por isso…

A F. em poucas frases resume ‘what it’s all about’: o que queremos é ser amadas e só devemos fazer o que achamos que nos faz felizes. Ambas sabemos o que é perder o chão dum dia para outro, sem indícios nem razões. E ambas sabemos que há males que vêm por bem.

 

E eu? O que é que eu acho?... Vou ver se me acho e depois conto.

 
(O elenco é vasto? Eu já tinha avisado que a minha vida dava um filme indiano…)
sinto-me: scrabbled
publicado por Ventania às 10:23
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009

E hoje,

não foi um, foram muitos sorrisos.  Mas sim, continuo a achar que são perigosos.

sinto-me: glad I had my teeth whitened
publicado por Ventania às 20:15
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2009

Hoje,

um sorriso perigoso, que começou aí desse lado. Perigoso porque não sei onde vai acabar.

publicado por Ventania às 21:24
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Janeiro de 2009

Sei que não devia, mas...

Procuro o sentimento que quero destilar, para o entender, acatá-lo com respeito ou lutar contra ele, conforme as curvas da razão me ditem ou permita a voz do outro, do malfadado coração. Abro gavetas, entorno frascos escondidos nas poeirentas prateleiras da memória. Encontro instantes há muito calados, novelos de teias enredadas em mim, mas não te acho a ti. Não sei dar-te nome, idiota sentimento que persiste, como uma sombra… Sempre presente, sem grande definição, sem contornos. Ainda que sob o Sol do meio-dia, sei-te aí à espreita, dona de mim. Não te odeio nem desejo libertar-me. Gosto de ti. E sabes que o grande busílis é esse. Apesar de não quereres, de ninguém querer (alegra-te saber que ninguém quer?), só eu, gosto de ti. E mais não consigo dizer. Não é inédita a Paixão, essa tonta que me agarra pela cintura e me leva pela mão até ao fim do mundo. Essa também por cá anda, paixão por ti, paixão por ele também (é verdade, dei por mim a palpitar de emoções por ele, disse-te?). Mas não anda só, a Paixão. Vem carregada e espessa, essa assombrosa sombra, de sentimento sem nome e que obriguei a calar, que talvez seja apenas uma estrondosa certeza de saber que és ideal para mim, como eu para ti, e que juntos fomos um só. Fomos, naquela outra existência que desapareceria, não fossem as evidências fotográficas a que nos escusamos. Não tenho como negar; quero-te bem. E mais do que a ti, quero-me bem a mim. E bem, fico eu quando te tenho enlaçado em mim. Eu, sou Eu quando me beijas e ris e cantas e o nosso olhar se encanta de estrelas e de Lua. Como já disse: Gosto de Ti.

sinto-me: I have nothing else to lose
publicado por Ventania às 15:15
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|
Domingo, 21 de Dezembro de 2008

Fundo do Baú II

 Foste

eco das vontades amargas

porta de luz sem calma

palavra amiga, ansiosa, ansiada

rede que pesca às escuras

tiro certeiro que ecoa no peito

coragem de ousar dizer talvez

euforia na ausência, que queima

poesia de dois gumes como facas errantes

presença mágica de obra diurna

faísca melosa a querer beijar

sonho de hoje, de antes e sempre


És

promessa de vida, de luz, de ti

conto de fadas enrolado no tempo

momento que foge e que marca a saudade

memórias fechadas na palma da mão

sorrisos imaginados, embrulhados nos meus

poção de ternura que não embriaga

areia na concha da mão que te dei

vento presente que embala a distância


Serás

suspiro pelos beijos que nunca morrem

alvorada recorrente no fundo da alma


SEMPRE, Amor

sinto-me: like cleaning up that chest!
publicado por Ventania às 22:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

Fundo do Baú I

Ficar um dia inteiro sem te ver

Ouvir nos recantos das memórias

O açúcar dos céus ocos sem reflexo de ti

publicado por Ventania às 19:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 24 de Novembro de 2008

A Vida de Ventania

 

COISAS de um pouco a altamente IMPROVÁVEIS NOS ÚLTIMOS 7 MESES:

(não necessariamente por esta ordem, porque baralhei tudo de propósito)

 

  •   gastei uma porrada de dinheiro, mas não posso dizer em quê que ainda há uma surpresa…
  • apresentei-me a alguém que me tinham dito que ia gostar de conhecer
  • fiz um branqueamento dentário
  • fui apalpada por 2 ou 3 mulheres (e detestei, mas esta parte seria de esperar)
  • desapaixonei-me
  • pensei que nunca mais ia ser feliz
  • pensei que nunca tinha sido tão feliz
  • pensei, finalmente, que nunca deveria ser menos feliz
  • estive na fronteira de 2 potências nucleares em tensão
  • dormi nua sob uma ventoinha
  • vi caírem por terra quase todos os sonhos e planos
  • sonhei muito mais alto, fiz novos e mais arrojados planos
  • fiz uma directa a dançar na discoteca (e fui trabalhar a seguir)
  • dei por mim a dar razão ao Paulo Portas mais do que uma vez (!!!)
  • descobri que ainda existe um príncipe encantado
  • viajei para outro continente com um quase-estranho
  • chorei sozinha no comboio
  • chorei antecipando uma dor que foi esmagadoramente maior do que tinha suposto
  • fui acordada com beijos
  • senti-me dividida, por saudáveis instantes apenas
  • comecei (ainda estou a fazer) a depilação definitiva
  • realizei um sonho antigo
  • recebi e-mails de ‘bom dia’ com cheiro a gomas
  • vesti uma t-shirt doutra pessoa
  • disse (entredentes) um palavrão num momento de revolta extrema (EXTREMA!)
  • perdi um dos 2 cabelos brancos que tinha (rejuvenesci!)
  • tomei banho de ‘pucarinho’
  • chorei ao telefone com mais do que uma pessoa
  • disseram-me que EU não sou nada complexada (ahahahah)
  • descobri mentiras de todos os tamanhos, daquela pessoa que não podia ter mentido
  • tomei medicação 'esquisita'
  • decidi fazer uma coisa que achava que nunca ia fazer (mais uma surpresa)
  • achei que era presunção pensar que ele gostava de mim
  • disse a outro que gostava dele…
  • dormi vestida em comboios
  • telefonaram-me para me tocarem piano
  • vi uma leprosa
  • comecei a sentir o que é ter 20 anos quando se tem mais alguns
  • disse "amo-te" algumas vezes e disseram-me "amo-te" algumas vezes
  • enviei 2 segredos para o shiuuuu
  • partilhei o sono enroscada em alguém
  • temi pela vida e saúde de amigos
  • dormi numa barcaça, num mundo perfeito
  • decidi mudar de emprego
  • vi um corpo a flutuar no rio
  • falhei um evento importante para alguém de quem gosto por medo de desabar
  • retomei o prazer de escrever no e para o blogue
  • apaixonei-me
  • tirei mais de 4000 fotografias
  • fiquei ‘solteira’ de novo
  • dedicaram-me músicas tocadas ao vivo J

 

 

sinto-me: like something really changed
publicado por Ventania às 23:56
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 29 de Junho de 2005

Gosto-te até ao tutano.

sempre.

publicado por Ventania às 22:55
link do post | comentar | favorito
|

sobre mim

pesquisar

 

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

F.A.

Sopa de letras

E hoje,

Hoje,

Sei que não devia, mas...

Fundo do Baú II

Fundo do Baú I

A Vida de Ventania

Gosto-te até ao tutano.

arquivos

tags

todas as tags

crème de la crème

Breve história dum abraço...

...

balanço

Adrift

Silêncio

Procuro

Como quem rasga poemas...

um momento

evasões?

Auto-retrato

links

comentários recentes

espelhos de bolso.pequeninos, deprimem-nos- fazem-...
muito bonito , muito tocantegostei bastante !PARAB...
É muito útil para me.I foi muito feliz em encontra...
Nice informações apresentadas no post, obrigado p...
Boa noite!Sou o proprietário de uma obra inédita d...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
Já regressei, minha querida. Aliás, nunca fui long...
Só hoje vi o fim do teu blog... Sinceramente, lá d...
Não. não és só tu a perder calçado!Neste momento e...
Os filmes indianos têm aquele problemas.... há mus...

subscrever feeds