Domingo, 17 de Maio de 2009

Erros

Erraste, sim, eu também, muito, muitas vezes. E também errei contigo, como tu comigo. Agredi, pressionei, forcei, gritei as minhas dores mais alto numa tentativa das abafar.

Sabemos bem que todos erramos, e erramos se não o admitirmos... Não que isso desfaça o erro, não que desate mágoas. Sem acusações. Sem maternalismos. Sem ralhetes. Um abraço e um beijo terno. Parece-me que podes precisar. Sem esperar nada de volta.

Sabes que estás há muito perdoado. E o perdão não tem nada de divino... Acho que só fala mais alto quando não há azedumes para alimentar ou que alimentem torturas. Confio, não tenho medos.

Talvez o perdão seja só uma manifestação da pureza dos sentimentos. Tu, perdoaste-me?

tags:
publicado por Ventania às 02:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

sobre mim

pesquisar

 

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Erros

arquivos

tags

todas as tags

crème de la crème

Breve história dum abraço...

...

balanço

Adrift

Silêncio

Procuro

Como quem rasga poemas...

um momento

evasões?

Auto-retrato

links

comentários recentes

espelhos de bolso.pequeninos, deprimem-nos- fazem-...
muito bonito , muito tocantegostei bastante !PARAB...
É muito útil para me.I foi muito feliz em encontra...
Nice informações apresentadas no post, obrigado p...
Boa noite!Sou o proprietário de uma obra inédita d...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
Já regressei, minha querida. Aliás, nunca fui long...
Só hoje vi o fim do teu blog... Sinceramente, lá d...
Não. não és só tu a perder calçado!Neste momento e...
Os filmes indianos têm aquele problemas.... há mus...

subscrever feeds