Domingo, 3 de Maio de 2009

de besta a bestial

Não deixa de me repugnar um pouco, e de me ofender bastante, que as pessoas troquem de opiniões como quem troca de cuecas. Vil facilitismo, este com que permitimos que se passe de besta a bestial, consoante nos agrade mais ou menos ao centro do umbigo.

 

 

 

publicado por Ventania às 10:32
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2009

um momento

Hoje atrevi-me a revisitar aquele céu dramático, pautado de guarda-rios, onde o paraíso estava tão perto. Ouvi o som das doces águas, da tua voz, o cheiro dos lírios entranhou-se na minha alma. Por um momento, um bater de asas duma efémera, o tempo parou e a realidade ausentou-se de mim. Sopraste-me um beijo… e tornei a ser feliz.

Quem te deu esse direito, de pôr e dispor do brilho dos meus olhos com o abrir dum sorriso? Quem deixou a porta do infinito aberta para que invadisses o meu mundo com um mero vislumbre de ti? Irónico o modo do Universo esbofetear quem se atreve a duvidar, quem insiste em encurtar as rédeas das emoções.

sinto-me: sad to be back
publicado por Ventania às 21:59
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Fevereiro de 2009

¿Por qué no te callas?

Já chega de me queixar de tudo nos últimos tempos (não, não é só TPM deslocada). Queixo-me do calor lá dentro, do frio e da chuva lá fora, queixo-me do emprego que ainda não mudou e das ofertas de novos empregos, queixo-me se durmo demais ou se não consigo dormir, queixo-me de ter tanto que fazer e de não conseguir fazer nada, queixo-me se ele não liga e das conversas que tem quando liga, queixo-me de estar aqui e do mau jeito que dá sair agora…

Por favor, mandem-me calar! Já nem eu me posso ouvir! Eu não sou assim… Não sei o que me aconteceu, mas tenho saudades de mim e quero-me de volta!

sinto-me: not myself
publicado por Ventania às 16:44
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009

Como chamas àquele dia:


- em que olhas para o espelho e não reconheces quem vês?

- em que recordas quando pensavas ter tudo e percebes que tudo na vida é efémero?

- em que chegas à conclusão que aquele dia em que te faltou o chão era inevitável e foi um dos mais libertadores de sempre?

- em que recordar aquele primeiro beijo no comboio te leva às lágrimas?

- em que davas quase tudo para voltar 3 meses para trás no tempo?

- em que sentes que a tua saúde mental já teve melhores, mas também piores, dias?

- que devia ter sido o mais feliz da tua vida e sentiste apenas solidão?

- em que tiveste incontroláveis ataques de riso?

- em que percebes que a tua dor é idêntica à dor que criticas?

- em que sabes que a vida não é aqui mas daqui não arredas pé?

- em que as boas notícias foram más e as más notícias foram boas?

- em que olhaste nos olhos dum amigo e a dor da saudade se antecipou?

- em que te apeteceu acender o rastilho antes de sacudir a pólvora das mãos?

- em que o frio que sentes vem de dentro para fora?

 

Eu chamo-lhe ‘qualquer dia desta semana’. Ou TPM deslocada.

sinto-me: blue
publicado por Ventania às 21:42
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

Balanço

O meu ano correu francamente mal... Como se costuma dizer, quanto mais se sobe maior é a queda. Como boa cientista que sou, nada melhor que o belo do gráfico para ilustrar a situação (escalas e unidades omitidas por se tratar de parâmetros absolutamente subjectivos).


Pelo lado positivo, porque há SEMPRE um lado positivo... a tendência é de subida, só pode ser!

Aqui fica a previsão optimista e pouco realista para 2009:

 

 

 

sinto-me: optimistic
publicado por Ventania às 23:39
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 13 de Dezembro de 2008

Drama Queen (Bollywood style)

Eu às vezes consigo ser muito dramática. Hoje, ao ler à distância de alguns dias um e-mail para um Amigo (daqueles em frente a quem se podem desenrolar quilómetros de entranhas sem pudor), tive de rir à gargalhada.  Para não chorar ou porque as múltiplas e sucessivas tragicomédias da minha vida me ensinaram a tudo relativizar. Fica o excerto:


"(...) o coração como se tivesse sido atropelado por 7 camiões indianos, comido e cagado por uma vaca e novamente atropelado (depois da bosta já estar seca), tendo ficado espalmado, altura em que foi mastigado por outra vaca e regurgitado para o Ganges. Something like that."

sinto-me: a drama queen
publicado por Ventania às 00:09
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Quinta-feira, 20 de Novembro de 2008

dores agudas

 

Dói recordar.

Doem as pernas entrelaçadas, os cabelos afagados, os pés ousados.

Doem os beijos que ninguém viu, os sorrisos tão verdadeiros.

Dói o nariz no pescoço, a língua nas orelhas, cada curva arrepiada.

Dói a lágrima derretida que não soube esconder-se.

Doem os dedos entretidos, os pêlos espantados.

Doem as carícias lambidas, os lábios longos e mornos.

Chega a doer o cheiro das flores, o vapor do duche, o abraço nú.

Dói aquela sede, o suor e o prazer.

Dói a palavra que escapou a medo, o brinde enganado, a gargalhada abafada.

Dói andar à deriva, mas também atracar. Dói regressar.

publicado por Ventania às 21:27
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008

Hoje

Queria abraçar-te com força e dizer que está tudo bem, que tudo passa.

Imagens que se perpetuam, acordam dentro do peito em sobressalto quando as críamos adormecidas num recanto escondido. Quando os olhos se fecham e o corpo se rende ao cansaço, soa uma frase que talvez tenhamos ouvido, ou talvez tenhamos apenas imaginado, que abala os alicerces e acorda o sangue. Chapada de água do mar, fria, salgada, a impor a sua presença molhada, não permite mágoas choradas em surdina, soco no peito.

 

Queria ser um pilar de granito, inabalável, onde pudesses agarrar-te, um refúgio à prova de som onde viesses aninhar-te.

O som insinua-se de mansinho, entra por frestas distraídas, as sombras crescem, nuvens de fumo mescladas no burburinho. As forças, minha e tua, fraquejam, erráticas, e falham até as palavras. Estagnado nos degraus, perdido.

 

Queria saber-te bem, completo, pleno, ainda que aí do outro lado tão longe de mim.

Adivinho um olhar derramado, cheiro ressequido, músculos empastelados que desistem das aparências. Procuro em todos os livros que não escrevi o bálsamo morno que te traga alento. Só tinta sem forma nem rumo. Para te dar, apenas todo um abraço soprado ao ouvido.

 

publicado por Ventania às 12:16
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 10 de Setembro de 2008

...

Pode um grito conter todos os suspiros, desassossegos, todas as indignações, inquietações, desilusões, desamparadas expectativas?

 
Que vontade de gritar até me fazer ouvir, quero sair! As dores, para trás das costas; sonhos ruídos, substituídos, por outros mais coloridos.
 
Que enfado tamanho que corrói os dias, que desesperante espera por dia nenhum.
 
Olhares de empatia, pasmo, cansaço que arrepia.
 
Adivinha-me, consola-me, leva-me embora...
sinto-me: uma beca enclausurada
tags:
publicado por Ventania às 21:17
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 4 de Setembro de 2008

Repescagem: 24-09-2006 "5 minutos"

 
 
Em cinco breves minutos podem mudar vidas, rumos...
 

 
Menos de cinco minutos foi quanto tempo precisei para pasmar ao olhar para 
 
o dourado pálido das searas e o achar perfeitamente deslumbrante. Cinco segundos demoraram os meus olhos a pestanejar várias vezes e ver pequenas nuvens subaquáticas de areia transformarem-se num espectáculo digno de fazer estagnar o universo em júbilo. É bom parar para contemplar a beleza, que está realmente em todo o lado. É bom "andar espantado de estar vivo", já diria João Sem Medo.
 

 
Outros breves minutos são menos prazeirosos... Em cinco minutos se destroem ilusões, anos de planos para o futuro, laços até então tão apertados. Basta uma frase reveladora, uma mentira, uma desilusão grande. Em cinco minutos se decide entre a vida e a morte, o riso e a lágrima.
 

Hoje escolho acolher a mágoa com serenidade. Talvez porque não acredite.

tags: , ,
publicado por Ventania às 21:21
link do post | comentar | favorito
|

sobre mim

pesquisar

 

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

de besta a bestial

um momento

¿Por qué no te callas?

Como chamas àquele dia:

Balanço

Drama Queen (Bollywood st...

dores agudas

Hoje

...

Repescagem: 24-09-2006 "5...

arquivos

tags

todas as tags

crème de la crème

Breve história dum abraço...

...

balanço

Adrift

Silêncio

Procuro

Como quem rasga poemas...

um momento

evasões?

Auto-retrato

links

comentários recentes

espelhos de bolso.pequeninos, deprimem-nos- fazem-...
muito bonito , muito tocantegostei bastante !PARAB...
É muito útil para me.I foi muito feliz em encontra...
Nice informações apresentadas no post, obrigado p...
Boa noite!Sou o proprietário de uma obra inédita d...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
Já regressei, minha querida. Aliás, nunca fui long...
Só hoje vi o fim do teu blog... Sinceramente, lá d...
Não. não és só tu a perder calçado!Neste momento e...
Os filmes indianos têm aquele problemas.... há mus...

subscrever feeds